Casamento real e econômico: Fernanda e Christian Ruggiero

O post de hoje não é só sobre economia. É também sobre amizade.
Amizade que surgiu por aqui mesmo, via blogs e cresceu ao ponto de me dar a honra de estar presente no grande dia dessa minha amiga: A Fernanda, que muitas de vocês já devem conhecer.

A Fernanda chegou na minha vida para ficar. Trouxe com ela o Chris e hoje já não me imagino sem a presença deles no meu dia a dia. Quando nos conhecemos a Fê estava organizando o seu casamento…queria algo simples, charmoso e econômico e CONSEGUIU!
Aperta daqui, resolve dalí e estava feito. O dia do casamento chegou e lá fui eu prestigiá-los.

Na semana do casório apareceram contratempos GIGANTESCOS, desses de fazer qualquer noivas desmaiar só de imaginar. Mas mesmo a mercê de grandes riscos de dar tudo errado, a ví respirar fundo e com muitas lágrimas nos olhos encarar tudo de frente. Talvez a Fernanda tenha sido uma das noivas mais corajosas a entrar para a história e eu tenho o maior orgulho de encher a boca e dizer: É minha amiga!

A parte da economia eu compartilho nesse relato exclusivo dela aqui no blog. Agora, se você quer saber mais sobre o que aconteceu a Fernanda e ao Christian no grande dia; eu não deixaria de ler o relato dela no Sushi Com Macarrão. Vale como uma lição de vida de uma noiva de muuuuita fibra pra você =)

***

” Olá, noivas econômicas do meu Brasil varonil!


Eu sou a Fê, amiga da Sam, e uma noiva bem duranguinha! hahaha…
Mas a questão aqui nem é a falta de grana, e sim a falta de disposição em ficar gastando rios de dinheiro.
Vou contar um pouquinho do processo.

Quando marcamos a data, meu noivo simplesmente não concebia a idéia de ter um casamento sem festa. Achava isso a coisa mais horrível do mundo!
Tudo bem, até entendo. Eu disse “entendo” e não “concordo”.
Então depois de meeeeeses de discussão (porque eu me recusei a dormir em colchão no chão e não ter sofá só pra poder bancar uma mega festa!), concordamos em fazer uma pequena recepção num restaurante ao lado da igreja.
Fechamos o jantar com buffet à vontade, comida de fazenda, uma mesa enorme de sobremesas, eles arrumaram as mesas do jeitinho que pedi e tudo isso sem pagar o aluguel do salão. Valeu muito a pena!!
Bom, o vestido. Vestido é um item que deixa a gente de cabelo em pé, né? Os alugueis são caríssimos, e quem é que não quer casar com um vestido feito só pra você, com seu jeitinho?
Eu dei muita sorte, mas aproveito e passo minha sorte pra vocês. Achei na net um atelier no Tatuapé (atenção noivinhas de SP), e marquei um horário. Peguei minha referência na internet e lá fui eu ver a carinha da estilista.
Olha, gostei das meninas! Fui suuuuuper bem atendida em todas as vezes, a Sarah (dona do atelier) fez algumas mudancinhas necessárias e voilá! Meu vestidinho ficou do jeitinho que eu queria e pela bagatela de… de… não vou divulgar o valor exato, mas foi menos que 1.700 dinheiros.
O buquê, as lapelas e os corsages foram presente da tia do noivo, então não entram na conta. Mas foram lindos! E carinhosamente feitos pela Susana, uma florista super talentosa, que trabalha com a Helena Lunardelli, a famosa! O buquê tinha pimentinhas e alecrim, por que proteção nunca é demais, né? hahaha…
O bolo não foi bolo cenográfico, foi de verdade. E inteirinho de trufas! Pra dois chocólatras, nada melhor, não?
Quem fez foi uma doceira de Limeira, a Lila, um amor de pessoa! E o valor ficou quase o mesmo do aluguel do bolo cenográfico, acreditem! Valeu super a pena, ainda mais pelo impacto visual, né?
As lembrancinhas foram 5 amêndoas, de acordo com a tradição italiana, e foram colocadas dentro de caixinhas de papel-semente, que encomendei de um artesão de MG. Sou meio eco-chata, então não queria essas lembrancinhas que viram bagulho na casa, sabe? E também queria fugir um pouco dos bem casados (apesar de ser super a favor). A lembrancinha acabou saindo pelo mesmo preço dos bem casados, só é mais trabalhosa, porque fomos nós que montamos tudo! Mas acho que valeu a pena, foi nosso xodó!
O topo do bolo foi feito também por uma artesã do Distrito Federal, a Débora, uma graça!! Captou certinho os passarinhos do nosso convite e os fez virarem bonequinhos lindos!
Os macarons foram caros, lógico. Mas é que nós fazíamos questão deles. Foi a nossa extravagância.
O voilette fui eu que fiz. Fiquei injuriada com os preços que achava por aí! Teve uma moça não lembro de onde, que me pediu 400 reais por um voilette!! Um roubo!! Então achei uma moça no sul que faz flores de tecido, paguei 30,00. Comprei o tule na 25 de março e me aventurei a fazer. Sam acompanhou a saga de perto! hahaha…E não é que ficou pintoso?!
Dia da Noiva também não fiz. Me recusei a pagar! Mas, meninas… quem puder, é bom fazer uma massagenzinha, tá? Fiz penteado e maquiagem no salão que vou desde pequena, que já conhecem meu cabelo e não meteram a faca. Fiquei super contente com o resultado! E a prova de cabelo e maquiagem não foi cobrada!
Os convites e toda a identidade visual eu fiz com uma empresa pequena e nova, a Duoo. Querem saber? Ganhei uma amigona!! A Ale, da Duoo, é uma pessoa incrível!! Fez tudo na maior animação, mandou amostras de tudo, e olha que sou mega chata com cores e detalhes! Mudei a papelaria umas 20x e ela sempre de bom humor respondia meus emails na maior animação! Não foi nada daqueles papéis mega cheios de glitter, mas, como já disse, sou eco chata, e me recusei também a gastar num item que iria pro lixo. Não me arrependo de nada! Aliás, Ale virou minha gráfica oficial de eventos da família Passos Ruggiero! hahaha…
A decoração do restaurante foi toda feita por mim e pelo Chris. Ceasa às 5h da matina, compramos vasos, musgos, flores e tudo mais pra decoração. Gastamos beeeeeeeeem menos que contratar decoradora!!
Lista de presentes? Fizemos na ListaPerfeita. Mas ficamos meio receosos de muita gente não conseguir usar e acabamos fazendo no PontoFrio.com também. Ai, ledo engano. A ListaPerfeita foi perfeita MESMO! As meninas são super solícitas, te ajudam em tudo, tiram dúvidas, uns amores! Já o PontoFrio.com… horrível!!! Já encerrei a lista e tô até agora tentando receber os créditos de produtos que ELES não tem mais no estoque. Um saco!!

Garotas, em suma, é isso. Pra nós valeu super a pena, foi tudo lindo, aconchegante e simples. Foi a nossa proposta pro casamento. 

Claro que cada uma tem que adequar à sua realidade e ao seu bolso, mas eu garanto a vocês: vale muito a pena economizar em alguns itens no casamento, independente de ter ou não grana. porque decorar a casinha nova é miiiiiiiiiiiiiiil vezes mais gostoso que só uma noite de festa!! Eu agarântio!! hahaha…”


Ficha Técnica
Restaurante: São Paulo Antigo | Buquê, lapela e corsages: Susana de Oliveira | Bolo: Doce Design Confiserie (Lila) | Topo: Tutti I Colori (Débora) | Lembrancinhas: Wesley Motta | Macarons: Green Short (Bárbara) e Rozângela e Guaraci | Identidade Visual: Duoo Design (Alessandra) | Flor de tecido do Voilette: Taniart | Lista de Presentes: ListaPerfeita
Nota da Sammia: Chris e Batata, amamos vocês :’)
Beijos!
Leia Também
Anúncios

Casamento real e econômico: Jessica

A Jessica (vulgo Jessiquinha) sempre me acompanhou na evolução do blog. Trocamos alguns emails sobre decoração e comes e bebes do seu casamento. Lembro que ela buscava uma solução vapt-vupt do que servir e de como preparar. Tinha uma idéia até aquela época pouco conhecida pra mim: Usar os serviços de uma cozinheira ao invés de um buffet.
Como eu era leiga sobre dei umas dicas aqui, outras alí mas a Jessica decidida persistiu firme na idéia. Só me restou dar meu apoio e torcer para dar tudo certo (e para que a cozinheira fosse arretada de boa).
Até que seu grande dia chegou e pouco tempo depois ela me enviou seu relato de economia e as lindas fotos do dia mais importante de sua vida. Vamvê:

“Consegui economizar um bocado para uma festa de 300 pessoas. Como? 

1 – Usei o salão de festas da própria igreja

2 – Contratei uma cozinheira e mais os garçons ao invés de buffet

2.1 – Comprei os salgados direto dela, então ela só me cobrou R$ 50,00 reais para fritar e assar na hora. Ainda fez batatinhas de aperitivos e lanchinhos.

3 – Fizemos os arranjos das mesas dos convidados

4 – Comprei refrigerantes / descartáveis (tudo tudo tudo)

5 – Mandei fazer o bolo num lugar legal e barato

6 – Fizemos todos os docinhos para servir

7- Mandei fazer apenas doces finos para a mesa do bolo

Bom, a festa saiu por volta dos R$ 2.000,00 reais, o que com o buffet eu gastaria R$ 12.000,00!

Queria agradecer muito a sua ajuda, que me deu tantas dicas e meu sonho pode ser sim realizado SEM TANTA GRANA.

Veja as fotos de como ficou.

Beijooos e muitooo obrigada”


Jessica Parra

Ficha Técnica
Foto e Filmagem: Nanda Gomes | Decoração: (Mesa do bolo e a igreja, pois as mesas foram feitas com um tutorial do CSG) Patrícia Moura | Toalhas: Faça a Festa ABC | Vestido: Belle Sposa | Banda: Amigos (Vídeo um, dois, três e quatro) | Guardanapos, copos, cumbuquinhas e afins: 25 de Março.
Agora me diz: Dá ou não dá pra casar sem muita grana? =)
Beijos!
Leia Também

Nota de felicidade

Foto: Hanne e Carsten Saugman

É chegada a hora.

A hora de uma das minhas grandes e melhores amigas sentir novamente toda a emoção de um grande dia como este. Junto dela, segurando sua mão, estará também outro grande amigo e ser humano excelente que ganhou meu carinho.
Jane e Rafael, Thiago e eu amamos vocês. E as leitoras do CSG também =’)
Estamos chegando…
Beijos!

Tutorial: Forminhas para doces da Tess

Bom dia amigas!

Hoje é sabadão, dia de apresentar mais uma noivinha super talentosa e simpática para vocês. O nome dela é Tess e chegou a pouco tempo no mundo dos blogs de casamento, mas chegou com tudo e pra ficar!
A Tess é super talentosa e também está preparando mil coisinhas lindas para o casamento. Hoje eu mostro uma delas para vocês: As forminhas de papel de seda para doces. Além de muito lindas são super fáceis de fazer e deixaram qualquer doce com cara de soberano, sério! Vamos a elas?

Você vai precisar de:
– Papel de seda
– tesoura
– cola bastão
– cartolina ou qualquer outro papel durinho para fazer o molde
– lápis
– molde redondo (na foto você vê uma velinha branca que a Tess usou, tem 3,7 cm)
– Pedaços de cano (na foto existe um de 3,2 cm e um de 4 cm que você encontra com facilidade em lojas de material para construção, é só pedir para cortar um pedaço)

Para começar desenhe o molde na cartolina, na sequência divida-o em cinco partes iguais

Usando estas marcações que separam o círculo, com o molde novamente desenhe as pétalas para que fiquem todas com o mesmo tamanho

Recorte seu molde

Agora faça outro molde de flor e depois de corta-lo faça uma nova marcação e recorte para que o segundo molde fique com as pétalas um pouco menores que a do molde original

Os moldes devem ficar assim

Agora no verso do seu papel de seda trace o contorno de dois moldes maiores e um do molde menor para formar sua flor. Note que na imagem abaixo a flor menor é a de baixo.

Dica: Se você fizer flores coloridas utilize um lápis da mesma cor do papel de seda, pois se aparecer um pouquinho por baixo do corte não fica feio
Dica 2: Quando cortar as flores no papel de seda dê um cortezinho entre as pétalas de 1cm no sentido do centro da flor para separa-las. Lembre-se que no desenho do molde a risca do lápis alcança o centro da flor, mas quando você corta no papel de seda fica apenas o contorno.

Passe cola no centro das flores maiores e cole-as junto com a pequena. Procure sempre centraliza-las e cuidado ao passar cola pois o papel de seda é bem frágil

Coloque a flor sob o cano maior bem centralizada

Ainda cuidando para ficar centralizado, coloque o cano menor sobre ele e aperte

Cuidado novamente ao apertar para não rasgar o papel passando a mão de baixo para cima para que as pétalas não fiquem presas para baixo e não rasguem

Retire a flor do caninho e acerte as laterais

Abra a flor com cuidado para que ela fique assim

Agora é só montar a sua mesa

E aí, gostaram?
A Tess avisa também que em média numa folha de papel de seda você tira 11 moldes de flores. É só desenhar todas antes de cortar. Cuide apenas para recortar 2 moldes grandes para um menor (ou seja 22 flores maiores e 11 pequenas)

Beijos, bom final de semana!

Leia Também

Manifesto de próprio punho:Calígrafo pra quê? Parte 2

Bonjourno ragatsas!
Hoje darei início a uma parceria mais que bem vinda com a minha amiga Jane para falarmos sem travas na lingua assuntos interessantes que achamos dignos de um debate. Mais ainda: De um manifesto! Isso mesmo. Até por que não temos a sorte de nascer dotadas da facilidade de concordar com tudo que nos é empurrado pela vida. Se fossemos assim, que chatice seria viver. É por isso mesmo que o ser humano tem direito a livre expressão de seus desejos e medos. Então eis aqui mais um espaço para expressarmos os nossos. Fiquem a vontade para concordar ou discordar, se desejar fazer o último, seja educada e não desça do salto ok?
O tema de hoje é: Caligrafia em convites.
Verdade seja dita: calígrado é um custo absolutamente dispensável. E, inspirada pelo manifesto que fundamenta esta afirmação, resolvemos deixar aqui uma dica para deixar os envelopes dos convites de casamento mais bonitos, sem precisar pagar uma pessoa para ficar escrevendo um a um para vocês.
Bem, somos da opinião de que caligrafia é algo pessoal, faz parte da sua identidade. Logo, contratar um calígrafo para escrever os nomes dos convidados nos envelopes é a mesma coisa que escolher imprimir o texto com uma fonte bonita numa boa impressora. É tão impessoal quanto.
Mas, se mesmo assim você quer aquele “quê” de convite personalizado de verdade, então faça-o de próprio punho. Literalmente.
Para isso você precisa de quatro coisas:
– uma caneta de caligrafia
– uma boa tinta (somos a favor da preta)
– paciência
– saber escrever
A caneta de caligrafia tem uma ponta “achatada” que permite que a espessura do seu traço varie enquanto você escreve. É justamente no domínio dessa variação de traço que está um dos segredos de uma bela caligrafia.
O segundo segredo é ter a caneta certa, com a ponta na espessura certa. As canetas mais baratas são as de ponta porosa. “Quebram o galho”, mas você perde precisão. Em canetas com pontas de 2mm, você quase não percebe a variação do traço. As melhores ainda são as canetas tinteiro. Os preços variam de acordo com a marca. Parker e Lamy tem sua qualidade internacionalmente reconhecida, mas para quem não pretende ser calígrafa profissional, creio que seja possível encontrar marcas intermediárias mais em conta. E quanto a espessura da ponta, vai depender do tamanho da sua letra. Mas, para envelopes de convites, uma caneta com ponta de 1.8 ou 2 mm já está de bom tamanho. A Jane comprou uma de 2.3 mm e está achando muito…
O terceiro segredo é a tinta. Algumas tintas são mais “aguadas”, outras são mais sólidas. Comprar “tinta preta” é genérico demais. É importante saber que tipo de efeito você quer no convite. Pode ser o preto sólido fosco, o preto brilhante ou o preto “aguado”. É uma questão de gosto.
E o quarto segredo é treino. Não compre uma caneta e saia direto escrevendo seus ricos convites, a não ser que você já tenha feito isso antes. Treine o máximo possível. Escreva a sua lista de convidados, escreva cartas de amor para o seu amado, escreva os compromissos na sua agenda, os recadinhos de telefone da família, o cartão de aniversário da amiga. Quanto mais você treinar, mais você vai dominar a caneta.
E por fim: Seja paciente. Ao escrever seus convites, não tenha pressa. Escreva com calma. Com pressa a tinta pode falhar e você pode precisar “remendar” a escrita. Se você é assim como nós e não consegue escrever em linha reta, faça um traço fininho a grafite para orientar a escrita e, depois que a tinta secar, apague de leve com uma borracha macia. Programe-se para fazer isso com antecedência. Você não precisa escrever todos os envelopes de uma vez. Escreva aos poucos.
Bem, não somos calígrafas profissionais. Toda dica que escrevemos aqui é baseada no treino da Jane. A imagem é um dos seus treinos. A sua primeira caneta de caligrafia foi de ponta porosa. Ela se divertiu no início, mas logo começou a sentir falta de uma com mais precisão. Ainda está na fase do treino, e está se divertindo! E só o fato de que seus convidados vão receber um convite escrito pela própria noiva já faz com que valha muito a pena! Ou ela faz assim, ou escolhe uma fonte bacana e manda imprimir tags para amarrar com fitinhas no envelope, ou imprime no próprio envelope. O que também não seria ruim. É uma solução que se aplica bem a noivas práticas. Afinal, nem todas tem paciência ou são bem resolvidas com a própria letra para escrever os próprios convites.
Achamos que vale a pena. Mesmo que uma caneta tinteiro pra caligrafia não seja exatamente uma pechincha, ainda sai mais barato do que contratar um calígrafo, além de ser personalizado de verdade.
Gostaram? Querem saber mais a respeito? A parte 1 deste texto e mais algumas dicas você encontra no blog da minha amiga Jane. É só clicar aqui e conferir :)
Beijos!
Leia Também