Causos: Minha historia com o Buffet Moreno’s

Hello!

O que vou contar pra vocês hoje fará parte de uma série de histórias minhas. “Causos”, já diria o velho deitado. E todos estes “causos” tiveram ou não finais felizes. BUT, baseada em muitos outros “causos” da internet sem desfechos felizes, onde outras pessoas acabaram tendo problemas com a justiça e o escambau; eu opto por estrategicamente não revelar os nomes das empresas que me deram dor de cabeça. Caso você deseje saber mais informações sobre elas é só me enviar um email (no antigo: casandosemgrana@gmail.com) que eu falo quem foi. Do contrário me limitarei a dizer o estado (Obviamente em SP, pois moro aqui) e a região onde rolou o ocorrido. Tá bão? Agora se resultou, por fim, em algo positivo eu conto tudo. Assim com conto hoje…

***

Tudo começou lá pelos meados de Janeiro…Fevereiro de 2009…quando eu ainda era uma “júnior” em assuntos de casamento e acreditava que todo buffet do mundo era economicamente acessível. Comecei uma busca pela internet até encontrar facilmente o Buffet Moreno’s.
Logo de cara eles haviam ganho o meu coração (S2 ou <3): Tinham lindas fotos de cardápios e festas do balacobaco. Enviei pelo site um pedido de orçamento e aguardei ansiosa por uma resposta. Resposta esta muito breve por sinal, e veio por telefone: Um rapaz muito simpático e com uma voz de menino festeiro, me convidou para conhecer a sede da empresa e participar de uma degustação. Me falou sobre como ele organizará algumas festas “quentes” de celebridades e como conquistava a amizade de todos. Achei meio metidão mas resolvi arriscar a visita (Noiva ansiosa é fogo!)

Ao chegar no local e horário combinado tive que aguardar por um longo período pelo rapaz simpático: (Vamos chama-lo de James? Vamos!) o James!
Mas tava tudo bem né? Com um monte de revistas de noivas dispostas na mesa a gente nem vê a hora passar…
Até que chegou o James e me levou feliz e faceiro para uma das centenas de salas de reunião do buffet. Tão logo estávamos envolvidos num papo pra lá de animado onde James me contou suas loucas aventuras pelas festas de casamento que tivessem mulheres encalhadas e uma piscina  O.o  Mas eu estava tão encantada e interessada em tudo que nem via a hora passar e tampouco reparava no papo vazio do James. Eu queria casar e contratar e ele queria vender e lucrar como um louco! Me convenceu a voltar depois, para falarmos de valores e conhecer espaços, junto com o meu noivo. “Combinado!”

Nem me lembro como foi que o convenci (Até então muito mais sensato do que eu) a ir até um bairro nobre de São Paulo, conhecer buffet. Mas ele foi. A contra gosto mas foi.
James nos recebeu mais uma vez com toda a empolgação possível. Se bem que notei uma certa “pressa” no seu atendimento desta vez. Talvez por ser sábado. Talvez por ser sábado e a sede estar cheia. Talvez por ser sábado, sede cheia e estarmos de bermuda? Vai saber…

Fomos convidados a ver fotos de outros casamentos realizados pelo buffet. James pedia licença para entrar e sair da sala freneticamente. Até que um dado momento sentou-se ofegante e disse: “Gostaram?” Nem esperou nossa resposta e disse: “Ai que bom! Então, nós trabalhamos com este, este, este e este espaço. Qual vocês gostam? Escolham um para conhecermos!”

“Ah..am…ah sim…er…bem” gaguejamos. Escolhemos o Clube Português alí pertinho e James ofereceu seu carro para irmos todos. No trajeto mais papo sobre suas vendas, “seus casamentos”, o quanto ele tirava de comissão na empresa e blablablabla!! Thiago, meu noivo, já havia tapado os ouvidos psicologicamente há tempos…

O Clube de fato parecia uma gracinha. Não era um soooooooooonho de lugar, mas era bem ajeitadinho. James foi nos mostrando tudo, explicando cada detalhe. Com pressa. Claro.
Até que pedi para conhecer a cozinha. E qual não foi meu espanto ao ver com a maior cara de “Que porcaria de dia!” (pra não dizer outra coisa); o cozinheiro do buffet, sozinho, cabisbaixo e resmungão ao preparar os quitudes da festa do dia. Nem mesmo o meu “Oi!!!” super animado o fez me levantar a cabeça e me cumprimentar. James logo tratou de nos apressar para o carro novamente. Cabei tropeçando num arranjo do casamento ¬¬

Daí que vem o sensacional: Na volta, ainda no carro, James vai direto ao ponto: “E então, gostaram? Vamos fechar esse casamento, hein?!”. Mais uma vez não tive nem tempo de responder e ele imenda: “Me falem: Quanto vocês tem para INVESTIR na festa?”. Neste momento usei a verdade mais nua e crua possível e ainda fui além do que podia na verdade e disse: “Temos 8 mil reais para TUDO (Mentira, não tínhamos nem a metade disso…)

RÁÁÁÁ, você quer imaginar qual foi a reação do James ou eu te conto? :D Tá bom, vou contar:
Sabe esses caras brancões, tipo alemães? Então. Sabe quando eles ficam P’s da vida e se colorem até o dedão do pé de vermelho? Ééééé então…James ficou literalmente emputecido de ter perdido seu tempo com um casal de ralés e completou já quase sem palavras:
“Meo, mas como assim 8 mil reais? Afe velho ASSIM VOCÊS ME QUEBRAM AS PERNAS. Isso aí NÃO PAGA NEM A MINHA COMISSÃO, cês tão loucos! Se eu soubesse que vocês só tinham isso aí nem tinha me dado ao trampo de vir até aqui…”

Hehehehe éééé minha amiga. Só ví meu noivo fechar a cara de uma maneira que acreditei que sairia porrada naquele carro. Segurei sua mão e gesticulava pedindo calma. Eu não sabia onde enfiar a cara, tamanha a minha vergonha. E o James coitado né?…dirigiu o resto do percurso calado…

Na volta ao buffet eu só queria pegar a minha bolsa e sumir. O nosso anfitrião ainda tentou segurar a ira e mostrar uma certa compaixão pela nossa MISERÁVEL condição social nos apresentando opções “A baixo custo” de festa. Mas obviamente a palavra: D.E.C.E.P.Ç.Ã.O (Mais uma vez para não dizer outra coisa) estava estampada em nossas testas e saímos de lá com o rabo entre as pernas…

Existe um estudo comprovado no mercado marketeiro que diz que, quando um cliente sai satisfeito de um estabelecimento, ele falará BEM deste local para no máximo 4 pessoas. Entretanto se este mesmo cliente for mal tratado, ele falará MAL do atendimento que recebido para 10 pessoas!!
E para mim não foi diferente. Felizmente não encontrei 20 pessoas com interesse no buffet, pois com certeza teria relatado tudo o que me aconteceu e aconselhado a não procurá-los.

Pois bem, passado todo este tempo eis que um dia recebo em minha casa uma ligação do mesmo buffet Moreno’s oferecendo mais uma vez a mim os seus serviços. Ouvi tudo o que a outra vendedora com ares de muita simpatia me informou e agradecendo seu contato relatei o motivo pelo qual gostaria de não receber mais ligações dos mesmos. A pobre moça ficou abismada com o que ouviu e prontamente passou a me pedir desculpas pela atitude do colega (até então do qual ela não se lembrava quem era). Desculpas “quase” que aceitas, encerramos por alí. Pouco tempo depois recebo uma nova ligação, desta vez da gerente geral do Moreno’s pedindo amavelmente que eu relatasse todo o ocorrido com o James. Assim que terminei toda a história a moça, coitada, só faltou se ajoelhar via telefone aos meus pés implorando o meu perdão pelo ocorrido. Disse que tal sujeito não fazia mais parte do quadro de funcionários do Buffet e que eles estavam me oferecendo, não para me comprar (Anrãm, senta lá Claudia hahahaha) mas para fazermos as pazes; um jantar na unidade mais bonita do buffet.

Agradeci e dispensei. Mesmo que o jantar oferecido fosse apenas para selar a nossa paz, com certeza seria uma forma de tentar me vender mais uma vez um produto sofisticado do qual continuo sem poder pagar…

***

Conclusão: Duas simples, sobre o fato

Primeira: Gostou do produto? Pergunte antes de mais nada quanto custa. Tire uma base de valores antes mesmo de sair de casa. Como? PEÇA POR EMAIL uma cotação. Se estiver dentro do que você pode pagar e/ou negociar vá com fé.
Segunda: Não julgue um livro pela capa. Nem uma EMPRESA por causa de UM FUNCIONÁRIO BABACA (ou dois, vide o cozinheiro). O Buffet Moreno’s é uma empresa com mais de sei lá quantos mil anos de mercado e tem profissionais altamente gabaritados e muito mais atenciosos do que você imagina. Então, se você gostou do trabalho da empresa mesmo sentindo-se chateada em um atendimento, TENTE OUTRA VEZ com outra pessoa. Quem sabe você não descobre que era isso que faltava?

Buena Suerte :)

UPDATE!

A Noivinha Feliz me lembrou de uma reportagem sobre calotes de buffets exibida hoje (06/12) no Jornal Hoje. Vejam aí

Beijos!

Leia Também

Sobre: Comprar vestido no exterior

Alôu pessoinhas!

Antes de mais nada, deixe-me avisar que arrumei o campo de email do blog: Resolvi escreve-lo, tá bom? Aguardo o contato de vocês ;)
***
Estes dias recebi o email da leitora Pamela Liz me falando sobre o site DHGate. Até então este site era total novidade pra mim, e então de curiosa fui atras de mais informações.
O DHGate vende vestidos de noivas a preços absurdamente bons em DÓLAR. A empresa por detrás do site é chinesa e está no mercado desde 2004. Segundo o site, a empresa comercializou mais de 10 milhões de produtos e é atuante nos Estados Unidos, Asia, Europa e Austrália.
Segundo sua página de política e privacidade o site afirma estar 100% protegido contra fraudes e outros perigos virtuais. Deixa também em aberto para sua tranqüilidade e conforto email para contato: service@dhgate.com
Bem, ao meu ver nada é mais prático que comprar pela internet. Eu mesma comprei meu vestido de noiva por este meio, mas confesso que fui corajosa e ainda ouvi muitas críticas do tipo: ” Ah, mas e se não chegasse exatamente o que você queria?” “E se pegassem seu dinheiro e sumissem com ele?” e afins. Quanto a sumir com dinheiro eu acho bobagem. É coisa de se pesquisar bem as qualificações do site (como no caso do DHGate) e verificar depoimentos de compradores satisfeitos (e se houverem insatisfeitos também)para saber se depois de pagos os seus produtos chegaram. Agora quando a chegar aquilo que você não espera…bem, neste caso realmente é um risco. Eu passei por ele. Mesmo que no anúncio dissesse “tecido X” me chegou pano de xita! E aí? quem paga meu prejuízo? Eu né? Claro!
Mas também esta é uma outra excessão que sites com este VeriSign Secured passam de longe…entenderam?
Então, para quem tem intimidade com compras no exterior (e quiser um vestido lindo, vamos combinar) fica a dica =)

Confira ainda as tendências de vestidos para 2010 no blog do Site

Beijos!

Leia também

Tutorial: Máscara de carnaval para o seu casamento

“A la la ôôôôôôô, mas que calor ôôôôô!” Hahahaha!!

Alôu queridas!
Que tal aproveitarmos o ritmo de carnaval e aprendermos a fazer aquelas mascaras da moda (Caaaaaaaaaaras) que estão sendo muito utilizadas nas festas de casamento? Hein hein hein? Tutorial: Como fazer tudo em artezanato. Tomem Nota!

Material

Gaze engessada
Tubo de vaselina branca

Algodão

Tesoura

Bacia com água morna

Lixa fina

Primeiro aplique uma camada de vaselina sobre a superficie a ser copiada (rosto ou de pessoa ou de um manequim). Depois corte a gaze em tiras e quadrados, molhe escorra e vá cobrindo parte do rosto, tomando cuidado de cobrir os olhos com algodão.Aplique uniformemente 3 a 4 camadas de gaze.

O gesso vai secando com alguma rapidez logo, a medida que isso acontece, vá alinhando com os dedos para que tenha uma textura mais lisa. Se necessário umideça os dedos.

Deixe a mascara secar sobre o rosto por algum tempo, depois retire-a com cuidado, e antes que endureça, apare as rebarbas e faça os furos para o elastico, pois se fizer isto depois ela pode rachar.

Arremate as laterais com uma tira de gaze umida para dar acabamento. Após secar lixe com cuidado.

Você pode também fazer um acabamento com massa plástica automotiva, biscuit ou papel machê.

Agora é usar a criatividade, enfeitar com plumas, lantejoulas, fitas, ou modelar adereços e feições com papel mache ou porcelana fria. A pintura também é importante mas antes faça um esboço desenhando e pintando em um papel como imagina sua mascara finalizada.

Abaixo um vídeo de modelos de outras máscaras.

Beijos e bom carnaval!

Leia Também

Guia de Filmagem para Casamentos (Parte I)

Olá minhas queridas!

Hoje postarei um super texto originado de um bate-papo com minha grande amiga Jane sobre vídeos de casamento. Fato é que, muitas de nós temos em nossa mente a imagem de vídeos de casamentos de nossos pais ou de terceiros, dos quais bocejariamos e acharíamos ultra bregas assistindo-os. É ou não é verdade? Eu mesma já morri de medo de que uma amiga de minha mãe recém-casada colocasse o vídeo de seu casamento para assistirmos em uma visita matinal a sua casa. Ooooouuunnn tortura!! E se ela contasse detalhes a detalhes em cada cena então…

Pois bem. Jane como mocinha recém-casada e esperta que é, criou este Guia de Filmagem para nós com dicas e idéias antes jamais imaginadas para tornar aquele vídeo que só seria lindo para você em uma agradável recordação para todos, como as fotografias, por exemplo. Vamos a ele?!

***

Porque os vídeos casamentícios são chatos?

É fato: Grande parte das pessoas acha os vídeos de casamento chatos. Quem casou deixou o vídeo empoeirando em algum canto sem nunca tê-lo visto. Quem vai casar já cogitou em algum momento não fazê-lo para economizar. Mas porque os vídeos de casamento são chatos? Culpa dos produtores ou dos noivos? Resposta: Dos dois! Isso mesmo!

Para entender o raciocínio, basta pensar no cinema tradicional: o que faz um bom filme de romance ser bom? Qual é o processo para ele ser bom?

1. Um bom roteiro, um bom conceito
2. Um bom planejamento
3. Uma boa direção
4. Bons atores
5. Boa edição (que tem a ver com o roteiro)
6. Um bom produto final

Percebem que vai muito alem do “Faz um filme aê”? Então vamos por partes:

1. Um bom roteiro, um bom conceito.

A responsabilidade deste item é dos dois: Noivos e produtores. Os noivos devem propor o que querem, os produtores devem colocar esta idéia em prática. Claro, nem todo mundo sabe – e nem tem que saber – o que é ou como se faz o roteiro. Isso é tarefa do produtor, que deve orientar os noivos nesse sentido, dar idéias, fazer propostas. Os noivos, em contrapartida, devem se envolver. Buscar referências, mostrar o que gostam ou não gostam, contar suas histórias, detalhar o que vai acontecer no casamento DE ANTEMÃO, ressaltar os detalhes e pontos altos a serem filmados com carinho especial. Vai ser um vídeo com cara de cinema de Hollywood? Vai ser um programa de entrevistas estilo Programa Amaury Junior? Vai ser um vídeo com cara de vídeo caseiro filmado em Super 8mm?*. Vai ser um vídeo clip musical estilo MTV? Vai ter um ritmo mais rápido e moderno, ou mais calmo e romântico? Vai ser daqueles vídeos estilo Programa Sílvio Santos, com quadradinho no canto superior da tela mostrando o noivo chorando
enquanto a noiva entra?

As opções são muitas! E devem ser colocadas desde a primeira reunião com o produtor. Caso contrário, você vai ter aquele vídeo que todo mundo acha chato por um motivo só: Ele vai filmar as coisas padrões, os ângulos padrão, as cenas padrão, e fazer a mesma edição padrão que faz
para TODOS. E o seu vídeo vai passar justamente aquela sensação de “vídeo-de-casamento-é-tudo-igual.

Roteiro: Claro que vocês não precisam saber o que é e como se faz. Pensem que o roteiro conta uma história: A história do dia do casamento de vocês. Tem começo, meio e fim. Não é um grande apanhado de cenas perdidas. Como vai ver? Não tem idéia? Coloquem isso diante
do produtor para que ele pense a respeito junto com vocês. Teoricamente, ele tem que saber o que é e como se faz um roteiro. Se ele for um bom produtor de vídeo, claro.

2. Bom planejamento. Responsabilidade: noivos e produtor.

Essa parte é uma das mais importantes. Planeje! Escreva o que vai acontecer no dia. Escreva o que vai acontecer de mais importante. Mostre como você quer as cenas que mais falam com você. Você quer os votos em close? Você quer uma cena da assinatura bem detalhada? Você
vai fazer alguma declaração, alguma surpresa? Deixe os produtores saberem o máximo possível do que vai acontecer na festa. Faça isso por escrito.

Depois planeje o seu produto final. No caso, ele será um DVD, certo? O que você quer nele? Você REALMENTE precisa de “material bruto na integra”? Se precisa, onde ele entra? Pense nos DVDs de filmes normais: eles tem trailer, filme e uma coisinha chamada “extras”, sensacional e que não era muito presente nas antigas fitas de VHS. Seu trailer não precisa ter mais de 1:30min. Seu filme editado não precisa ter mais de 15 minutos (na minha opinião). O resto das “Íntegras” jogue nos “extras”! Ou você já viu alguma cena de casamento emocionante no cinema que tenha mostrado a cerimonia inteirinha 100%?

3. Boa direção. Responsabilidade do produtor.

Se todos os passos anteriores foram bem planejados, cabe ao produtor dirigir as filmagens para alcançar o produto final do jeito que vocês planejaram segundo o roteiro combinado. Tendo em mente o que você vai querer no final, ele vai direcionar as filmagens de forma a conseguir
material para isso.

***

Curiosa para ler o resto? Então não perca na terça-feira o termino desta postagem. Avise as amigas e leiam tudo para não ficar nenhuma dúvida no momento de decisão sobre este quesito.

*E para quem ainda não tem idéia do que é uma filmagem em Super 8mm, irei dar primeiro um exemplo de uma filmagem com ela e no próximo post uma filmagem que simulou o uso de Super 8mm com outro efeito de filmagem chamado Old video.

Beijos!

Leia Também

Ibitipoca: Lua de mel barata e com aventura (Parte I)

Bom dia meus doces de compota!
Hoje eu vou dar uma dica de lua-de-mel repleta de aventuras, economia e numa cidade linda de morrer: Conceição de Ibitipoca, Minas Gerais. O texto é um pouco extenso por contar muitas informações técnicas. Por isso eu o dividi em algumas partes. Bora lá!
Tudo começou em meados de outubro de 2008 quando noivo e eu procurávamos uma cidade que tivesse grutas, cachoeiras e trilhas para passar o reveillon. No google digitamos tudo isso e deu o nome desta cidadezinha mineira quase desconhecida das multidões baladeiras e muito procurada por mochileiros e casais em busca de paz e aventura. O noivo pirou o cabeçote e ficamos dias e mais dias sem fim em busca de todas as informações possíveis.
Para economizar o máximo optamos por acampar. Compramos todos os cacarecos indispensáveis baseados na minha primeira experiência com camping que tive na adolescência. Aqui é claro que não fica viável para uma lua-de-mel no estilo mais romântico, pois é bem óbvio que você queira ficar num chalé quentinho e confortável. Mas se você é fã de adrenalina e vida selvagem como nós (hahahahaha) vá de camping! Munidos de muita informação sobre o local, fechamos um pacote no camping do sr. Nelson (O Reserva Canto da Vida) que fica no meio do caminho entre o centro da cidade e o Parque Estadual de Ibitipoca, o principal atrativo do local. O valor para casal no final de ano ficou em R$ 220,00 reais. Fora de época estes valores caem bastante.
Visando economizar, partimos de São Paulo para Juiz de Fora (Primeira parada) em um ônibus leito da Viação Cometa. Foram exatas 7h:40m de viagem, com uma parada na madrugada na cidade de Resende – RJ. Pagamos neste percurso R$ 105,00 reais cada.
Ao chegar em Juiz de Fora é necessário sair da rodoviária, atravessar a rua e embarcar no ônibus da empresa Frotanobre “LIMA DUARTE”. Aos finais de semana é importante chegar na rodoviária até às 5h:30m da manhã pois o ônibus passa por volta das 6h:00. A duração da viagem é de 1h:15m. Pagamos neste percurso R$ 10,00 reais cada.
Ao chegar em Lima Duarte você ficará um pouco assustado pois a “rodoviária” na verdade é uma lojinha. Isso mesmo, uma lojinha que vende doces e a sorte no jogo do bicho. Mas fique calmo, eles sabem infomar tudo muito bem. O ônibus que sobe a serra para Ibitipoca é da Viação Vimara e vem escrito no letreiro “Ibitipoca”. O ônibus só sobe duas vezes por dia, uma de manhã e uma a tarde. De manhã o horário de saída de Lima é às 7:h15m e chega ao seu destino na Vila de Ibitipoca às 9h:20m. Pagamos R$ 20,00 reais cada.
Agora coisas importantes de saber: No verão chove muito em Minas; logo a estrada que leva a Ibitipoca que é 90% de terra vira uma lama só. Em dias de trânsito comprometido por elas, a empresa Vimara deixa avisado que não irá subir, pois os riscos de acidentes com carros de grande porte é maior. Nestes casos recomendo que você se hospede em Lima Duarte (com diárias a partir de 50,00 reais) ou contrate um dos carros particulares que estão preparados para subir nestas condições de viajem. Nós ficamos com a segunda opção, pois fomos informados por moradores da cidade, que as chuvas demoram muito a passar e acabariamos por perder muitos dias de passeio lá embaixo. Ligamos para o Rodrigo que veio nos buscar com um fusca Baja velhinho porem bem eficiente!
A média de valores que se paga para subir em carros particulares é de R$ 120,00 à R$ 80,00 reais. O valor é calculado por cabeças e quanto mais delas menos você paga. O Rodrigo foi super camarada e nos fez por R$ 80,00 reais levando em conta que seu transporte era apertado e pouco confortável.
Aqui vale acrescer o seguinte: Quem vai de carro particular tem infinitas vantagens. Porem como dito antes alguns modelos (principalmente os rebaixados e os mau equipados) podem atolar na lama. Lá se vão então R$ 30,00 reais para chamar um trator e puxa-los. Agora, se não andou chovendo muito tempo antes de você chegar suba tranqüilo. Verifique sempre as condições do tempo antes de sair de casa. De Lima Duarte até Ibitipoca são mais ou menos 22km.
Ao chegar na vila o Rodrigo gentilmente deu uma volta com a gente e nos levou ao camping sem cobrar a mais. Alguns condutores cobram viu? Fiquem atentas antes de acordar qualquer negócio com eles.
Fomos muito bem recebidos e conhecemos todo o local e suas regras. Àpos, montamos nossa barraca debaixo de uma garoa insistente fomos descansar…. afinal de contas foi uma viagem loooonga…
***
Pausa: Até aqui os gastos totalizaram uma média de R$ 265,00 reais por pessoa.
No próximo post eu continuo contando da nossa aventura e aproveito para recuperar minhas fotos que estão perdidas num HD na casa do Thiago, hauahauahauhua!!
Por momento eu recomendo ver este link do flickr que contem fotos de várias pessoas que já passaram por lá…
Beijos !