Dica: Lua de Mel barata? É em São Paulo!

E aí, SUAS LINDAS ☺ 

Hahaha, agora que aprendi a colocar símbolos nas postagens, ninguém mais me segura  Hahuahauhauhau! #danger

Mas então, o post de hoje não é sobre minhas loucuras e sim sobre Luas-de-mel econômicas!
Na verdade é mais uma série de posts. Posts feitos para noivas que cansaram de encontrar dicas de lugares fabulosos de pouca acessibilidade, sabe? Em especial a Camila Amaral, que pediu primeiro.

O post de hoje conta com opções em São Paulo. Depois sucessivamente falo de outros estados. Algumas destas dicas vem de vivências minhas, outras de indicações das amigas no Twitter do CSG e outras eu cacei por aí. Caso você encontre algum dado inválido sobre seu estado e/ou queira nos enviar mais dicas (e eu agradeço!) é só mandar pelo contato: casandosemgrana@gmail.com.

Afinal de contas quem não adoraria viajar para Paris, Ilhas Gregas, Dubai e pá e tals…Eu adoraria, diz aí! Mas: Quedê dindin?

É duro amiga!! Bora dicas!

***
  • Nível: Heavy Metal



Este é o nível da noiva MUITO mas muito sem grana mesmo. Por ela, iria até de ônibus pra Lua-de-Mel. Não que ela goste muito da idéia, mas é o que ela dispõe no momento. É também para noivas que tem um tempo muito curtinho. Para bolsos e tempos apertados como o dela eu recomendo:

PARANAPIACABA

Paranapiacaba (Aprendi a falar com o tio Raul Gil) é município de Santo André. Criada em 1874 para servir de centro de controle operacional e residência dos funcionários da companhia inglesa de trens Railway; mantém até os dias de hoje em suas vilas, casas de estilo inglês do final do século passado que servem de museus, pousadas, restaurantes e outros estabelecimentos, para os visitantes da cidadezinha. Em épocas de frio, é possível provar doces caseiros ma.ra.vi.lho.sos e participar do festival de inverno, acompanhado de uma neblina linda e bem densa, dessas de se cortar com uma faca :)
Mas, em qualquer época do ano, não faltarão passeios a serem feitos. Destacamos o Museu do Castelo, o Museu do Funicular, O clube Lira Serrano e passeio de Maria Fumaça, onde é possível fazer uma rápida viagem num trem restaurado ao estilo século XIX. Seu trocador veste-se a caracter e conta a história das viagens na época dos barões do café na trilha de Santos. Um barato!! :D

 
Fotos do Flickr de Vinícus Murari e Fernando Stankus

Para quem gosta de aventura, Paranapiacaba também é lugar ideal, pois dispõe de muitas trilhas que dão em cachoeiras, quedas d’água e lagos que espelham o céu.

Imagens do Flickr de Cauê Rangel e Paranapiacaba Ecotur

Onde se hospedar?

As pousadinhas de Paranapiacaba são o que podemos chamar de ótimos 3 estrelas com refeições caseiras e o melhor: PREÇO, preço baixo! Os pacotes de 3 diárias costumam obedecer uma média de R$ 250,00 à R$ 400,00 reais por casal. Consulte os descontos de cada temporada.

Pousada Shamballah
Rua Rodrigues Alves, 471 – Parte Baixa
+ 55 11 4439 0574 / 8213 7478

Pousada Jardim das Bromélias
Avenida Campos Sales, 549  – Parte Baixa
+ 55 11 4439 0012 / 4439 0239

Para conhecer mais sobre Paranapiacaba e obter maiores informações sobre lugares para comer, passeios e guias; visite a página do Paranapiacaba Ecotur.

  • Nível: Eu “Guento”!

Este é o nível da noiva que também está sem grana, mas que “guenta” pagar um pouquinho a mais do nível Heavy Metal, hehehe. Neste nível, dependendo do valor que se pode desembolsar, há mais possibilidades de passeios e lugares a visitar. Por isso, eu sempre aconselho a investir na sua lua-de-mel! Cerimônia e festa são coisas muito legais, mas o depois precisa ser tão bom quanto. Para este nível, hoje eu recomendo:

ILHABELA

A ilha, segundo a wiki, é o único município-arquipélago marinho do Brasil e está localizada no litoral norte, na microrregião de Caraguatatuba. Rodeada por um conjunto de montanhoso e com picos culminantes como o Pico de São Sebastião (1.379 metros de altitude) e o Morro do Papagaio (1.307 metros); a Ilha oferece várias opções para quem prefere uma aventura, um passeio leve ou apenas o bom descanso merecido.
Não deixe de visitar a praia do Jabaquara à 15km do centro que tem uma série de restaurantes e barzinhos na areia. Outros dois super passeios são: Caminhada e banho de cachoeira na trilha do Parque Estadual onde a mata atlântica vai te deixar maluca de tão fascinada; e ir de barquinho a Praia do Bonete na costa sul. Isso se você puder desembolsar uma graninha ou ir em um grupo acima de 3 pessoas (barateia muito!), se não, é preciso ser corajosa e enfrentar uma trilhinha de 12km com subidas íngremes #medo

Bonete

Onde se hospedar?

Em Ilhabela você irá encontrar todo tipo de valores e pousadas. Vale fazer uma boa pesquisa pelos preços mais baixos. Deixo este link com mais informações sobre a Ilha e sobre todo tipo de hospedagens e passeios.
Agora, em Bonete vale destacar uma pousadinha MUITO mas muito charmosa mesmo: A Pousada Margarida…

Imagens de Diego Aranha
Sobre os preços eu realmente não sei afirmar. Mas me disseram que são bem bons e justos :)
+ 55 12 3892 4285
+ 55 12 3894 7000
margaridabonete@gmail.com

  • Nível: Take it easy

Ah, este aqui é um must! Para quem poupou e tem tempo de sobra para aproveitar, MAAAASSS mesmo assim não pode ir a Paris ou fazer muitas estripulias com o seu dinheirinho.

CAMPOS DO JORDÃO

Campos do Jordão, está no coração da Serra da Mantiqueira, no interior de Sampa. Uma estância climática que recebe milhares de turistas por ano, principalmente no inverno. É a nossa “Suíça Brasileira”, tanto pelo frio quanto pela influência europeia. Fico imaginando uma Lua-de-mel no friozinho, curtindo abraçada um chocolate quente de Campos *Suspira*. É um sonho!
Passeios também não faltam. Os dois mais famosos são o do Horto Florestal e o da Estrada de Ferro. No Horto as caminhadas levam a cachoeiras lindas e a altitude favorece a vista pra cidade. Já na estrada de ferro, o trem percorre destinos distintos com cenários bucólicos com diferentes distâncias. Os quatro destinos são: Parque Reino das Águas Claras, o Ponto Culminante Ferroviário, Parque do Capivari e a Estação Ferroviária do Lèfreve.

Imagens do Yahoo Viagens
Onde se hospedar?
Puts! Opção de hospedagem em Campos (Tirando a alta temporada e a falta de pré reserva) é o que não falta. Não falta luxo e conforto também. Mesmo que você opte por um 2 ou3 estrelas, você se sentirá numa suíte presidencial. Sério. Fora a gama de restaurantes, bares, chocolates (Já falei dele né? hehehe) e cervejas boas pra caramba!
Ah, outra coisa muito bacana: Na página do oficial da cidade você vai encontrar TODOS os hotéis e pousadas da região divididos em categorias de: Super luxo, Luxo, Confortáveis e Econômicos. Abaixo as imagens de um Confortável e de um Econômico, pela ordem:
 
 
Víu? Notou alguma diferença gigante nos dois sobre conforto? Pois é! Em Campos, até os hotéis econômicos são fofos e de vista privilegiada.
Avenida Senador Roberto Simonsen, 1665 – Campos do Jordão
+ 55 12 3663 1255 
+ 55 12 3663 1246
Avenida José de Oliveira Damas, 371
+ 55 12 3663 1044
Maiores informações e dúvidas, visite a página da cidade.
***
UFA!
Este post deu um trabalhinho hein? Hahaha. Em breve tem mais com outros estados e suas MAGAVILHAS :)
Beijos!
Leia Também

Anúncios

Ibitipoca: Lua de mel barata e com aventura (Parte II)

OLHA EU AQUI MEU AMORES!!!
Voltei!
Chega de ficar longe de meu bloguinho querido e das minhas melhores amigas.
O que aconteceu?
Olha gente resumindo eu posso dizer que foi uma onda de zicas com a internet aqui em casa, mais um período de adaptação (ou seja, chicotinho no lombo pra trabalhar dobrado) ao novo emprego e mais um tempo de reflexão sobre a vida.
Hahaha, psicanalista nela!
Obrigada a todos os emails e comentários carinhosos perguntando do meu paradeiro. Beijão nas testas.
Bem, mas agora vamos ao que interessa: O final da nossa saga em Ibitipoca, Minas Gerais :D
***
Tivemos que aguardar um dia inteiro a chuva passar. Passou? Não, hahaha.
No outro dia com ela ou sem ela decidimos ir até o parque pegar pelo menos as primeiras informações sobre as trilhas. A sorte foi que no começo da tarde o clima deu uma trégua e bem dispostos além de irmos até o parque fomos também para a vila. No parque soubemos que a entrada é de R$ 5,00 reais por pessoa e se você deseja estacionar pagará mais 5,00. Justo né?
Descobrimos também que a entrada de pessoas aos finais de semana e feriados no parque está limitada a 800 pessoas incluindo campistas (Sim, é possível acampar no parque. Saiba como clicando aqui). Este número é razoável levando-se em conta a melhor segurança dos visitantes.
A vila é uma graça. Lá experimentamos sucos exóticos e tiramos muitas fotos da paisagem.Você precisa saber: Que 90% dos estabelecimentos comerciais só aceita dinheiro como forma de pagamento. Tivemos uma baita dificuldade para fazer comprinhas e refeições por lá pois preferimos andar com dinheiro de plástico e não sabíamos desse probleminha. Ah, isso vale também para cartão de débito.
Agora falemos mais sobre os passeios no parque:
Para fazer trilha o ideal é chegar o mais cedo possível ao parque pois as caminhadas são extensas em qualquer uma delas. Leve MUITA ÀGUA, papel higiênico, protetor solar, chapéus ou bonés, lanches, traje de banho e toalhas. Use um tenis anti-derrapante (ou de preferência sapatos adequados a trilhas). Isso é muito importante por conter no trajeto trechos onde as pedras são lisas. Eu tomei uns 3 tombos leves caindo de bunda huahauhaua, tudo porque usei um tenis com o solado liso no Circuito das Àguas.
Nosso primeiro passeio foi no circuito Janela do Céu, seguido nos outros dias do Circuito das Àguas. Ficamos de voltar para ir ao circuito Pico do Peão porque não deu tempo :/
Mas se eu precisasse definir tudo com uma palavra seria: Perfeição.
Com certeza um dos lugares mais lindos que eu estive e estarei em toda a minha vida. Você sobe tanto que realmente fica entre as nuvens e tem uma vista fantástica dos arredores do parque. Quando se começa a descer nas grutas e cachoeiras (tudo é muito bem sinalizado) está encantado o bastante para esquecer a caminhada restante para o fim do percurso.
Este post ficaria muito extenso se eu contasse tudo, então deixo para vocês mesmas tirarem suas conclusões quando decidirem visitar. Mas adianto informações básicas:
– A contratação de Guias em meu critério é bacana. Mas para grupos grandes, onde o mesmo poderá explicar com maiores detalhes as belezas do lugar. No caso de um casal que está curtindo a dois um passeio como este eu dispensaria. Mas procure muitas informações antes de viajar, se intere o máximo possível sobre tudo.
– Não se intimide com a temperatura da àgua, aproveite ao máximo!
– Nos circuitos das Àguas e na Prainha, havia muita gente o que nos dificultou curtir mais. Mas fora de temporada dizem que tudo fica na mais santa paz.
– O restaurante do parque é baratinho, mas a lanchonete é uma facada
– Por favor: Não jogue o lixo em qualquer lugar! Junte-o em sua mochila e depois livre-se dele adequadamente numa lixeira.
– Cuidado ao tentar entrar em algumas grutas escuras, pois são habitadas por papagaios (Isso mesmo!) selvagens que te consideraram uma ameaça aos ninhos. Informe-se também com antecedência onde se pode e onde não se deve entrar.
– E divirta-se horrores!!!
Foram dias excelentes. Nunca nos esqueceremos da nossa primeira viagem romântica juntos. E eu com certeza não esquecerei tão cedo quando tive uma má digestão por causa dos enlatados e para tomar sal de frutas o Thiago tentou me oferecer àgua da chuva, HAHAHAHA!!
Na volta já devidamente precavidos quanto aos horários do ônibus que descia para Lima Duarte, embarcamos sem problemas. A estrada estava seca, salvo alguns trechos onde o ônibus deu umas escorregadinhas.
Tivemos problemas novamente com a questão cartão. A rodoviária de Lima Duarte não os aceita também. Tivemos que pegar um taxi onde um senhor gentil nos levou até Juiz de Fora cobrando R$ 100,00 reais apenas. Como Lima não tem caixas eletrônicos da rede 24 horas pagamos no desembarque. Fica a observação.
Agora eu deixo algumas fotos e muitas saudades de lá. Nosso roteiro viajem totalizou uma média de R$ 300,00 a R$ 400,00 reais por pessoa somando refeições e passeios.
Se você gostou da dica e quiser saber maiores detalhes nos envie um email e teremos o maior prazer em responder :D
Beijos!

Ibitipoca: Lua de Mel barata e com aventura (Parte II)

OLHA EU AQUI MEU AMORES!!!

Voltei!
Chega de ficar longe de meu bloguinho querido e das minhas melhores amigas.
O que aconteceu?
Olha gente resumindo eu posso dizer que foi uma onda de zicas com a internet aqui em casa, mais um período de adaptação (ou seja, chicotinho no lombo pra trabalhar dobrado) ao novo emprego e mais um tempo de reflexão sobre a vida.
Hahaha, psicanalista nela!
Obrigada a todos os emails e comentários carinhosos perguntando do meu paradeiro. Beijão nas testas.

Bem, mas agora vamos ao que interessa: O final da nossa saga em Ibitipoca, Minas Gerais :)

***

Tivemos que aguardar um dia inteiro a chuva passar. Passou? Não, hahaha.
No outro dia com ela ou sem ela decidimos ir até o parque pegar pelo menos as primeiras informações sobre as trilhas. A sorte foi que no começo da tarde o clima deu uma trégua e bem dispostos além de irmos até o parque fomos também para a vila. No parque soubemos que a entrada é de R$ 5,00 reais por pessoa e se você deseja estacionar pagará mais 5,00. Justo né?
Descobrimos também que a entrada de pessoas aos finais de semana e feriados no parque está limitada a 800 pessoas incluindo campistas (Sim, é possível acampar no parque. Saiba como clicando aqui). Este número é razoável levando-se em conta a melhor segurança dos visitantes.

A vila é uma graça. Lá experimentamos sucos exóticos e tiramos muitas fotos da paisagem. Você precisa saber: Que 90% dos estabelecimentos comerciais só aceita dinheiro como forma de pagamento. Tivemos uma baita dificuldade para fazer comprinhas e refeições por lá pois preferimos andar com dinheiro de plástico e não sabíamos desse probleminha. Ah, isso vale também para cartão de débito.

Agora falemos mais sobre os passeios no parque:
Para fazer trilha o ideal é chegar o mais cedo possível ao parque pois as caminhadas são extensas em qualquer uma delas. Leve MUITA ÀGUA, papel higiênico, protetor solar, chapéus ou bonés, lanches, traje de banho e toalhas. Use um tenis anti-derrapante (ou de preferência sapatos adequados a trilhas). Isso é muito importante por conter no trajeto trechos onde as pedras são lisas. Eu tomei uns 3 tombos leves caindo de bunda huahauhaua, tudo porque usei um tenis com o solado liso no Circuito das Àguas.

Nosso primeiro passeio foi no circuito Janela do Céu, seguido nos outros dias do Circuito das Àguas. Ficamos de voltar para ir ao circuito Pico do Peão porque não deu tempo :/

Mas se eu precisasse definir tudo com uma palavra seria: Perfeição.
Com certeza um dos lugares mais lindos que eu estive e estarei em toda a minha vida. Você sobe tanto que realmente fica entre as nuvens e tem uma vista fantástica dos arredores do parque. Quando se começa a descer nas grutas e cachoeiras (tudo é muito bem sinalizado) está encantado o bastante para esquecer a caminhada restante para o fim do percurso.
Este post ficaria muito extenso se eu contasse tudo, então deixo para vocês mesmas tirarem suas conclusões quando decidirem visitar. Mas adianto informações básicas:
– A contratação de Guias em meu critério é bacana. Mas para grupos grandes, onde o mesmo poderá explicar com maiores detalhes as belezas do lugar. No caso de um casal que está curtindo a dois um passeio como este eu dispensaria. Mas procure muitas informações antes de viajar, se intere o máximo possível sobre tudo.
– Não se intimide com a temperatura da àgua, aproveite ao máximo!
– Nos circuitos das Àguas e na Prainha, havia muita gente o que nos dificultou curtir mais. Mas fora de temporada dizem que tudo fica na mais santa paz.
– O restaurante do parque é baratinho, mas a lanchonete é uma facada
– Por favor: Não jogue o lixo em qualquer lugar! Junte-o em sua mochila e depois livre-se dele adequadamente numa lixeira.
– Cuidado ao tentar entrar em algumas grutas escuras, pois são habitadas por papagaios (Isso mesmo!) selvagens que te consideraram uma ameaça aos ninhos. Informe-se também com antecedência onde se pode e onde não se deve entrar.
– E divirta-se horrores!!!

Foram dias excelentes. Nunca nos esqueceremos da nossa primeira viagem romântica juntos. E eu com certeza não esquecerei tão cedo quando tive uma má digestão por causa dos enlatados e para tomar sal de frutas o Thiago tentou me oferecer àgua da chuva, HAHAHAHA!!

Na volta já devidamente precavidos quanto aos horários do ônibus que descia para Lima Duarte, embarcamos sem problemas. A estrada estava seca, salvo alguns trechos onde o ônibus deu umas escorregadinhas.
Tivemos problemas novamente com a questão cartão. A rodoviária de Lima Duarte não os aceita também. Tivemos que pegar um taxi onde um senhor gentil nos levou até Juiz de Fora cobrando R$ 100,00 reais apenas. Como Lima não tem caixas eletrônicos da rede 24 horas pagamos no desembarque. Fica a observação.

Agora eu deixo algumas fotos e muitas saudades de lá. Nosso roteiro viajem totalizou uma média de R$ 300,00 a R$ 400,00 reais por pessoa somando refeições e passeios.
Se você gostou da dica e quiser saber maiores detalhes nos envie um email e teremos o maior prazer em responder :)

Beijos!

Leia Também

Ibitipoca: Lua de mel barata e com aventura (Parte I)

Bom dia meus doces de compota!
Hoje eu vou dar uma dica de lua-de-mel repleta de aventuras, economia e numa cidade linda de morrer: Conceição de Ibitipoca, Minas Gerais. O texto é um pouco extenso por contar muitas informações técnicas. Por isso eu o dividi em algumas partes. Bora lá!
Tudo começou em meados de outubro de 2008 quando noivo e eu procurávamos uma cidade que tivesse grutas, cachoeiras e trilhas para passar o reveillon. No google digitamos tudo isso e deu o nome desta cidadezinha mineira quase desconhecida das multidões baladeiras e muito procurada por mochileiros e casais em busca de paz e aventura. O noivo pirou o cabeçote e ficamos dias e mais dias sem fim em busca de todas as informações possíveis.
Para economizar o máximo optamos por acampar. Compramos todos os cacarecos indispensáveis baseados na minha primeira experiência com camping que tive na adolescência. Aqui é claro que não fica viável para uma lua-de-mel no estilo mais romântico, pois é bem óbvio que você queira ficar num chalé quentinho e confortável. Mas se você é fã de adrenalina e vida selvagem como nós (hahahahaha) vá de camping! Munidos de muita informação sobre o local, fechamos um pacote no camping do sr. Nelson (O Reserva Canto da Vida) que fica no meio do caminho entre o centro da cidade e o Parque Estadual de Ibitipoca, o principal atrativo do local. O valor para casal no final de ano ficou em R$ 220,00 reais. Fora de época estes valores caem bastante.
Visando economizar, partimos de São Paulo para Juiz de Fora (Primeira parada) em um ônibus leito da Viação Cometa. Foram exatas 7h:40m de viagem, com uma parada na madrugada na cidade de Resende – RJ. Pagamos neste percurso R$ 105,00 reais cada.
Ao chegar em Juiz de Fora é necessário sair da rodoviária, atravessar a rua e embarcar no ônibus da empresa Frotanobre “LIMA DUARTE”. Aos finais de semana é importante chegar na rodoviária até às 5h:30m da manhã pois o ônibus passa por volta das 6h:00. A duração da viagem é de 1h:15m. Pagamos neste percurso R$ 10,00 reais cada.
Ao chegar em Lima Duarte você ficará um pouco assustado pois a “rodoviária” na verdade é uma lojinha. Isso mesmo, uma lojinha que vende doces e a sorte no jogo do bicho. Mas fique calmo, eles sabem infomar tudo muito bem. O ônibus que sobe a serra para Ibitipoca é da Viação Vimara e vem escrito no letreiro “Ibitipoca”. O ônibus só sobe duas vezes por dia, uma de manhã e uma a tarde. De manhã o horário de saída de Lima é às 7:h15m e chega ao seu destino na Vila de Ibitipoca às 9h:20m. Pagamos R$ 20,00 reais cada.
Agora coisas importantes de saber: No verão chove muito em Minas; logo a estrada que leva a Ibitipoca que é 90% de terra vira uma lama só. Em dias de trânsito comprometido por elas, a empresa Vimara deixa avisado que não irá subir, pois os riscos de acidentes com carros de grande porte é maior. Nestes casos recomendo que você se hospede em Lima Duarte (com diárias a partir de 50,00 reais) ou contrate um dos carros particulares que estão preparados para subir nestas condições de viajem. Nós ficamos com a segunda opção, pois fomos informados por moradores da cidade, que as chuvas demoram muito a passar e acabariamos por perder muitos dias de passeio lá embaixo. Ligamos para o Rodrigo que veio nos buscar com um fusca Baja velhinho porem bem eficiente!
A média de valores que se paga para subir em carros particulares é de R$ 120,00 à R$ 80,00 reais. O valor é calculado por cabeças e quanto mais delas menos você paga. O Rodrigo foi super camarada e nos fez por R$ 80,00 reais levando em conta que seu transporte era apertado e pouco confortável.
Aqui vale acrescer o seguinte: Quem vai de carro particular tem infinitas vantagens. Porem como dito antes alguns modelos (principalmente os rebaixados e os mau equipados) podem atolar na lama. Lá se vão então R$ 30,00 reais para chamar um trator e puxa-los. Agora, se não andou chovendo muito tempo antes de você chegar suba tranqüilo. Verifique sempre as condições do tempo antes de sair de casa. De Lima Duarte até Ibitipoca são mais ou menos 22km.
Ao chegar na vila o Rodrigo gentilmente deu uma volta com a gente e nos levou ao camping sem cobrar a mais. Alguns condutores cobram viu? Fiquem atentas antes de acordar qualquer negócio com eles.
Fomos muito bem recebidos e conhecemos todo o local e suas regras. Àpos, montamos nossa barraca debaixo de uma garoa insistente fomos descansar…. afinal de contas foi uma viagem loooonga…
***
Pausa: Até aqui os gastos totalizaram uma média de R$ 265,00 reais por pessoa.
No próximo post eu continuo contando da nossa aventura e aproveito para recuperar minhas fotos que estão perdidas num HD na casa do Thiago, hauahauahauhua!!
Por momento eu recomendo ver este link do flickr que contem fotos de várias pessoas que já passaram por lá…
Beijos !

Ibitipoca: Lua de Mel barata e com aventura (Parte I)


Bom dia meus doces de compota!

Hoje eu vou dar uma dica de lua-de-mel repleta de aventuras, economia e numa cidade linda de morrer: Conceição de Ibitipoca, Minas Gerais. O texto é um pouco extenso por contar muitas informações técnicas. Por isso eu o dividi em algumas partes. Bora lá!

Tudo começou em meados de outubro de 2008 quando noivo e eu procurávamos uma cidade que tivesse grutas, cachoeiras e trilhas para passar o reveillon. No google digitamos tudo isso e deu o nome desta cidadezinha mineira quase desconhecida das multidões baladeiras e muito procurada por mochileiros e casais em busca de paz e aventura. O noivo pirou o cabeçote e ficamos dias e mais dias sem fim em busca de todas as informações possíveis.

Para economizar o máximo optamos por acampar. Compramos todos os cacarecos indispensáveis baseados na minha primeira experiência com camping que tive na adolescência. Aqui é claro que não fica viável para uma lua-de-mel no estilo mais romântico, pois é bem óbvio que você queira ficar num chalé quentinho e confortável. Mas se você é fã de adrenalina e vida selvagem como nós (hahahahaha) vá de camping! Munidos de muita informação sobre o local, fechamos um pacote no camping do sr. Nelson (O Reserva Canto da Vida) que fica no meio do caminho entre o centro da cidade e o Parque Estadual de Ibitipoca, o principal atrativo do local. O valor para casal no final de ano ficou em R$ 220,00 reais. Fora de época estes valores caem bastante.

Visando economizar, partimos de São Paulo para Juiz de Fora (Primeira parada) em um ônibus leito da Viação Cometa. Foram exatas 7h:40m de viagem, com uma parada na madrugada na cidade de Resende – RJ. Pagamos neste percurso R$ 105,00 reais cada.
Ao chegar em Juiz de Fora é necessário sair da rodoviária, atravessar a rua e embarcar no ônibus da empresa Frotanobre “LIMA DUARTE”. Aos finais de semana é importante chegar na rodoviária até às 5h:30m da manhã pois o ônibus passa por volta das 6h:00. A duração da viagem é de 1h:15m. Pagamos neste percurso R$ 10,00 reais cada.
Ao chegar em Lima Duarte você ficará um pouco assustado pois a “rodoviária” na verdade é uma lojinha. Isso mesmo, uma lojinha que vende doces e a sorte no jogo do bicho. Mas fique calmo, eles sabem infomar tudo muito bem. O ônibus que sobe a serra para Ibitipoca é da Viação Vimara e vem escrito no letreiro “Ibitipoca”. O ônibus só sobe duas vezes por dia, uma de manhã e uma a tarde. De manhã o horário de saída de Lima é às 7:h15m e chega ao seu destino na Vila de Ibitipoca às 9h:20m. Pagamos R$ 20,00 reais cada.

Agora coisas importantes de saber: No verão chove muito em Minas; logo a estrada que leva a Ibitipoca que é 90% de terra vira uma lama só. Em dias de trânsito comprometido por elas, a empresa Vimara deixa avisado que não irá subir, pois os riscos de acidentes com carros de grande porte é maior. Nestes casos recomendo que você se hospede em Lima Duarte (com diárias a partir de 50,00 reais) ou contrate um dos carros particulares que estão preparados para subir nestas condições de viajem. Nós ficamos com a segunda opção, pois fomos informados por moradores da cidade, que as chuvas demoram muito a passar e acabariamos por perder muitos dias de passeio lá embaixo. Ligamos para o Rodrigo que veio nos buscar com um fusca Baja velhinho porem bem eficiente!
A média de valores que se paga para subir em carros particulares é de R$ 120,00 à R$ 80,00 reais. O valor é calculado por cabeças e quanto mais delas menos você paga. O Rodrigo foi super camarada e nos fez por R$ 80,00 reais levando em conta que seu transporte era apertado e pouco confortável.
Aqui vale acrescer o seguinte: Quem vai de carro particular tem infinitas vantagens. Porem como dito antes alguns modelos (principalmente os rebaixados e os mau equipados) podem atolar na lama. Lá se vão então R$ 30,00 reais para chamar um trator e puxa-los. Agora, se não andou chovendo muito tempo antes de você chegar suba tranqüilo. Verifique sempre as condições do tempo antes de sair de casa. De Lima Duarte até Ibitipoca são mais ou menos 22km.

Ao chegar na vila o Rodrigo gentilmente deu uma volta com a gente e nos levou ao camping sem cobrar a mais. Alguns condutores cobram viu? Fiquem atentas antes de acordar qualquer negócio com eles.
Fomos muito bem recebidos e conhecemos todo o local e suas regras. Àpos, montamos nossa barraca debaixo de uma garoa insistente fomos descansar…. afinal de contas foi uma viagem loooonga…

***

Pausa: Até aqui os gastos totalizaram uma média de R$ 265,00 reais por pessoa.
No próximo post eu continuo contando da nossa aventura e aproveito para recuperar minhas fotos que estão perdidas num HD na casa do Thiago, hauahauahauhua!!
Por momento eu recomendo ver este link do flickr que contem fotos de várias pessoas que já passaram por lá…

Beijos !

Leia Também